Sobre internet e postes de borracha

No comments

Artigo meu, publicado no site Mínimo Múltiplo. Boa leitura!

***

Na primeira madrugada de fevereiro de 2008, a Avenida Senador Tarso Dutra (Terceira Perimetral), na zona norte de Porto Alegre, foi cenário de mais uma tragédia do trânsito. Por tratar-se da família de uma figura pública, o caso ganhou repercussão além das páginas da editoria Geral dos jornais do dia seguinte. Avançou para a editoria de Política, ganhou a boca do povo e mereceu artigos e receitas de especialistas para diminuir as chances de que mais dramas como aquele se repetissem. Proibição da venda de álcool nas festas, investimento em novas campanhas de educação para a alta velocidade, análise sobre o comportamento juvenil na direção. Quaisquer desses movimentos seriam válidos no sentido de evitar o trauma de mais uma família, de fazer das ruas da capital locais menos violentos. Mas não. O que me chamou mais a atenção? A discussão sobre a presença de árvores e postes nas calçadas, próximos das vias. Não estariam eles contribuindo para o aumento das estatísticas de mortes no trânsito? Quem os teria posto ali, afinal? Postes de borracha. Foi a sugestão de um internauta que lera, atônito, matéria sobre um dos painéis a respeito do trânsito, realizados na capital à época. #fail

Postes de borracha. Sim, é um exemplo aleatório, mas de um comportamento recorrente. Parece próprio do ser humano evitar a compreensão integral dos fenômenos e concentrar a solução das coisas no que é mais simples ou mais fácil. #tenso

É assim para as drogas, quando a sociedade se recusa a cuidar da família e desvia o foco para os perigos do pó. É assim na conservação do patrimônio público, quando esquecem de comentar a importância deles na escola e preferem restringir a venda de sprays a pichadores. É assim quando pais pedem punição para professores quando eles pegam seu filho pelo braço e o obrigam a sentar e manter o silêncio na sala de aula. Não são os pais, neste caso, os passíveis de punição?

As mídias sociais são geridas por esses mesmos seres humanos. Nas agências de marketing digital, nas empresas, nos veículos de comunicação. Blogs, Twitter, Facebook, Foursquare, Linkedin, Tumblr, Youtube não são soluções, são meios apenas. Tão somente meios. Para o lamento de todos, as fragilidades, as fraquezas e as dificuldades de agências de marketing digital, de empresas e de veículos de comunicação são os mesmos de antes do surgimento dessa parafernália toda.

Há muito tema de casa para ser feito antes de conquistar sucesso de uma marca nas redes digitais. Não há mágica. Não há caminho mais curto ou mais fácil.

Em uma pesquisa rápida no site Escave as Mídias Sociais é possível conhecer algumas geniais campanhas de marketing digital de marcas famosas que não deram certo. Porque não entenderam bem os critérios de desempate para a escolha de um mayor no Foursquare? Porque encontraram um bug numa das funcionalidades da fanpage do Facebook? Ou porque não encontraram um mecanismo eficaz para medir a amplitude de uma ação no Twitter? Nada disso. Muito geralmente, as razões que levam ao fracasso de uma marca nas redes digitais (sim, este é o melhor nome para tudo isso; mais preciso que redes sociais e mídias digitais) não são o manejo das novas ferramentas. Até porque é só dar um clique num buscador – ou um chute numa moita, como se dizia no tempo do off-line –, e aparecem centenas de especialistas em mídias sociais (aliás, sobre isso, recomendo este artigo do Perestroika).

O que leva a imagem de marcas e o objetivo de campanhas digitais ao fracasso é a ilusão de que a internet mudou o mundo. De que a internet mudou as cabeças, as leis da física, as relações entre empregado e empregador, que mudou a relação entre organização e consumidor, político e eleitor. Nada mudou nas operações fundamentais da sua empresa, da mente daquele cliente exigente. Nadinha.

No Escave as Mídias Sociais, há casos clássicos (e que repercutiram bastante) de empresas que se deram mal na rede exatamente por não observar elementos básicos da relação com seu interlocutor. Consideremos dois de duas grandes empresas, uma de automóveis, outra de eletrodomésticos. Em ambas, o cliente cansou de não ser atendido pelos meios convencionais e postou sua reclamação na rede. Só o vídeo no Youtube de um dos insatisfeitos tem mais de 800 mil exibições. E, atenção, neste caso, o consumidor não se sentiu lesado por terem quebrado uma regra do regulamento da ação na internet, mas pelo não-cumprimento do Código de Defesa do Consumidor, criado em setembro de 1990, quando eu nem pensava em ter e-mail.

E o famoso caso de um funcionário de uma empresa de hospedagem de sites e serviços de internet que ofendeu no Twitter um torcedor do clube que era patrocinador da sua empresa? Seguido deste, há inúmeros casos de jornalistas e outros profissionais que foram demitidos depois de falar mal da empresa, de sua chefia ou de seus colegas. Porque não sabiam usar as ferramentas ou porque infringiram normas básicas de postura, ética e bons modos, ensinados pela avó?

Há também o caso de um estagiário de uma marca de design de interiores do Reino Unido, que resolveu explorar a polêmica sobre as eleições iranianas, em 2009, usando as hashtags #iranianelection e #Mousavi para inserir propagandas de sua empresa entre a multidão que discutia a questão política daquele país. A empresa foi acusada de fazer piggy-backing, ou seja, de tentar enganar seus consumidores. Viram como nada mudou? A culpa segue sendo do estagiário.

OK, mas é importante compreender a nova dinâmica que a internet impôs ao mercado, né? Claro que sim. A internet criou novas formas de interação e colaboração. Mais: ela pôs um megafone na mão de quase todos. De bons e de ruins. Mas bom caráter, respeito e bom senso ainda são essenciais. Nas empresas, a realidade é mais exigente. Bem antes de manjar do universo on-line, lembre-se de que o mundo de hoje exige muito mais do mesmo. Transparência, qualidade dos produtos, qualidade do atendimento e responsabilidade socioambiental, por exemplo, são prerrequisitos urgentes. #temqueverissodaí

Juliano RigattiSobre internet e postes de borracha
read more

Você já conhece as mídias sociais

1 comment

Olá, é com orgulho que compartilho com vocês um artigo meu publicado na revista Super Sul deste mês. A revista é voltada ao setor supermercadista. O tema do artigo é mídias sociais e negócios.

Boa leitura!

***

Você já conhece as mídias sociais*

Sim, meu título é uma afirmação e não uma pergunta.

Há alguns meses, mandei um email aos amigos e colegas de trabalho falando da minha satisfação em descobrir o site Peixe Urbano, um clube de compras que se utiliza do moderno princípio da colaboração online para vender produtos. Meu e-mail:

“Gente, essa vale a pena passar adiante: site de vendas Peixe Urbano. Vejam que troço inteligente. Eles lançam uma promoção por dia de um produto ou serviço com até 90% de desconto. Se tu decidires comprar, tens q torcer para que haja um número mínimo de outros interessados; só assim o produto sairá pela bagatela anunciada. É um site de vendas bem adaptado às mídias sociais: a vantagem só existe se mais gente aderir.”

E que negócio é este? O vendedor se rentabiliza, uma, porque vende mais, outra, porque se torna conhecido, e, outra ainda, porque transforma o momento da retirada do produto em uma oportunidade para vender mais – e, geralmente, isso acontece. O site, por sua vez, ganha porque fica com uma fatia generosa do valor de cada pedido – que não são poucos. O ganho de clientes como eu, que economizam e acabam tendo a oportunidade de conhecer mais a vida urbana, fecha o círculo virtuoso da ideia. Comprovadamente, de grande sucesso, aliás. Tanto, que não é mais o único no mercado.

Embora eu tenha notícia de que alguns fizeram cadastro no tal clube de compras por causa de minha mensagem, poucos responderam o email no qual eu contava a tal novidade, mas um deles vale à pena reproduzir. Dizia este meu colega – sessentão e brilhante jornalista:

“Rapaz, umas três décadas antes de teus pais terem se conhecido, havia uma espécie de venda na qual, se tu conseguisses mais três ou quatro adeptos, a tua compra saía de graça; lembro que quem usava a estratégia era o fabricante do sapato Samello, de SP. Sensacional essa do Peixe, o princípio é parecido – agora não boca-a-boca ou pelo correio, mas pela internet. Como imediatamente diria meu pai, citando Lavoisier e pensando nos bolinhos de carne de rodoviária, “no mundo nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”.

E transformou-se.

Se por um lado, como anuncia meu título, não deve haver surpresas pra você sobre como se comportam sem a internet os grupos de pessoas com interesses afins (ou redes sociais ), por outro, há dois fatos sem precedentes: o meio pelo qual eles dialogam atualmente e os impactos deste novo diálogo para as marcas.

De cada 10 brasileiros que têm acesso a internet (já são mais de 30% da população na região Sul, segundo o IBGE), 7 deles participam de alguma dessas novas redes, revela estudo Redes Sociais POP, realizado pelo IBOPE Mídia, em novembro de 2010. Orkut (91%), Facebook (14%) e Twitter (13%) lideram as preferências. Olhando para a região Sul do país, Florianópolis (82%), Porto Alegre (73%) e Curitiba (65%) destacam-se pelos altos índices de penetração de internautas nas novas mídias. E o que fazem lá? O mesmo que faziam no passado, só que com um megafone nas mãos. Contam aos outros – dezenas, centena, milhares; na sua maioria, desconhecidos do mundo físico – suas experiências de vida, de consumidor; falam do final de semana, do filme que viram, do supermercado que foram; do produto que compraram e gostaram, e do produto que adquiriram pela internet e que ainda não foi entregue. Decidem suas compras – 25% deles já o fazem –, compartilham informação. “O uso crescente das Redes Sociais no cenário mundial ocasionou uma verdadeira revolução comportamental. A comunicação passou de ‘one-to-one’ para ‘many-to-many’, diz o estudo do Ibope Mídia.

Em suma, nas mídias sociais, consumidores dão depoimentos reais de sua intimidade, de experiência de compras e de experimentação de produtos. Como antes. Também como no período pré-mídias sociais, vão se tornando mais respeitados na medida em que suas opiniões, elogios e desabafos contribuem para os outros. Agora, imagine isso multiplicado por dez, por cem, por mil. E já há pesquisas que apontam que a crença dos internautas na opinião de sua rede de contatos virtual está crescendo, chega a se igualar ao índice de confiança na propaganda online das empresas e já ultrapassa o número dos que acreditam em publicidade em jornais. Pesquisa sobre consumo da Nielsen Online, de julho de 2009, mostra que sete em cada dez (70%) confiam nas opiniões de consumidores expressas online, enquanto o mesmo percentual acredita nas informações dos sites das marcas. Já a confiabilidade em anúncios de jornais impressos caiu de 63% em 2008 para 61% em 2009. E por quê? Porque enquanto a maioria das empresas está preocupada em apenas falar bem de seus produtos e serviços, pessoas reais entregam relevância e valores umas às outras. No livro Marketing 3.0 (Elsevier, 2010), Philip Kotler diz que “os consumidores estão não apenas buscando produtos e serviços que satisfaçam suas necessidades, mas também buscando experiências e modelos de negócios que toquem seu lado espiritual. O modelo de negócios baseado em valores é o que há de mais inovador no Marketing 3.0”.

Mas você pode pensar que isso é um fenômeno das minorias. Que no seu supermercado, na sua empresa, isso tudo ainda não é realidade. Pode pensar assim, claro que pode. Mas não deixe de levar em conta que, na sua casa, o seu filho ou seu neto já nasceu conectado à internet e às formas digitais de relacionamento. E que a ascensão desta parcela da população, chamada por Kotler de “sociedade criativa”, está só começando. Embora o número de pessoas da classe trabalhadora seja maior, Kotler afirma que os inovadores se tornarão cada vez mais dominadores. “No mundo colaborativo influenciado pela nova onda de tecnologia, (eles, os criadores nas mídias sociais) funcionam como eixos centrais que conectam os consumidores entre si. São os consumidores mais expressivos e mais colaborativos que mais utilizam as mídias sociais”, conclui o autor. Aqui está o perigo – ou a oportunidade.

Se é crescente o número de pessoas conectadas e que dialogam usando as mídias sociais, e que este perfil de consumidor confia mais no seu amigo internauta do que nas empresas, como se preparar para se comunicar a partir de agora e no futuro? O que muda na minha relação com as centenas de clientes que compram meus produtos e serviços diariamente?

Nada muda nas operações fundamentais da sua empresa. Há grande impacto, entretanto, na forma como ela se comunica, como ela dialoga com seus clientes. Quão transparente é a sua gestão? Que resposta você tem para o seu cliente? Quão ágeis são as mudanças frente às demandas dos stakeholders (pessoas ou organizações que são afetadas pelos negócios de sua empresa)? Se até então questões como essas eram importantes, elas passam a ser urgentes.

Lembre-se: desde o sapato Samello, pouca coisa mudou no íntimo do consumidor – que nunca gostou de falta de clareza, de falta de qualidade, de atendimento antipático. E não foram só os direitos do consumidor e o aumento das necessidades de consumo que mudaram a correlação de forças na sociedade: se antes eles falavam por cima do muro, com o vizinho, na mesa de bar, com meia dúzia, neste instante, eles estão falando da sua marca ao megafone tecnológico, que são Orkut, Twitter e Facebook, para milhares de outras pessoas.

O que fazer, então, se antes mesmo de você decidir se entra ou não nesse jogo, você descobre que já está nele?


*
Não encontrei isso em nenhum manual de uso da internet, mas tenho pra mim uma forma de entender as variadas nomenclaturas que dão às mídias sociais. Qual é a diferença entre redes sociais e mídias sociais, por exemplo? E o que é uma mídia digital? Como entender essa mistura de termos? Pra mim, é simples. Rede social é aquilo que sempre existiu, desde que o homem é este ser sociável, digamos assim. Desde o Samello. É a sua rede de relacionamentos reais. Pode ser pessoal ou profissional. Você se comunica pessoalmente, por telefone ou por e-mail. Mídia digital? São as diversas plataformas digitais ou eletrônicas de comunicação, de difusão de informações. Neste caso, representada pela internet. Mídias sociais são, portanto, a mistura disso: de mídias digitais com redes sociais. É como se toda a minha troca de informações com meu círculo de amigos, parentes e colegas de trabalho ganhasse, agora, a possibilidade de ter a velocidade, a instantaneidade e a amplitude de um meio como a internet. Não é de se desprezar.

Juliano RigattiVocê já conhece as mídias sociais
read more

Eu acho que as mídias sociais darão certo

No comments

Não sei aí onde você está, mas aqui onde eu estou, a moda que pegou – e até já enjoou – é a de colar adesivinhos na parte traseira do carro com desenhos que representam as nossas famílias. Famílias felizes. Tem de um tudo, como diz um amigo meu. Homem de mãos dadas com uma mulher. Rapaz de mão com uma guria. Rapaz com rapaz. Rapaz só. Guria com guria. Pai e mãe com uma ou mais crianças no meio. Casais com tartarugas, peixinhos no aquário, cachorros e gatos. De um tudo.

E sei bem que aí onde você está e aqui onde eu estou que os programas tipo reality show são um grande sucesso. A versão da Record e a da Globo, especialmente. Muita gente dedica grande parte de sua noite de descanso e convívio familiar para verificar a vida do outro. Para ver o que ele diz, como se veste, se tem boas maneiras para comer, se esconde suas partes íntimas ao tomar banho. Mas aquilo tudo não é a vida do outro, não.

É um espelho.

“As pessoas estão cada vez mais interessadas nelas mesmas”, li outro dia em um suplemento de um jornal dedicado aos adolescentes e jovens. Eles, os jovens, aprenderam conosco: Vaidade das vaidades! Tudo é vaidade (Eclesiastes 1, 2).

Num mundo de alta concorrência, os seres humanos comparam-se, competem entre si. Foi assim desde sempre entre as espécies que já habitaram este planeta. Competição. Quando levada para o bem, transforma-se em colaboração, network, novas tecnologias, evolução da ciência, construção; quando para o mal, vira inveja, destruição. Mas tudo, no fim das contas, é vaidade.

O que reforça a minha tese: um dos ingredientes das mídias sociais é o desejo pela xeretice da privacidade alheia. Foi assim que o Orkut virou um sucesso, há uns bons anos. Com o pretexto de que queríamos encontrar os amigos antigos, a coleguinha do primeiro grau, bisbilhotávamos a vida alheia. Fizemos mais contatos ainda quando o site restringiu algumas informações ao amigo do usuário. Tínhamos um reality show à nossa frente e salivávamos.

(Mas não tem nada de mal, não, a vaidade. Não se culpe. Somos assim. A psicologia deve explicar direitinho porquê. Comparamo-nos o tempo todo. É bem normal.)

Surgiram Facebook e Twitter. Há menos interesse pela privacidade alheia, dirão. Não, direi. A competição segue. Competimos com a melhor informação, com o melhor link, com o melhor vídeo, com a melhor foto, com maior número de seguidores, com a maior quantidade de mentions, de érretês. Não é à toa que a regra número um das atuais mídias sociais é: seja relevante! Volta e meia damos uma olhadinha de canto na biografia do usuário. Queremos saber como se comporta, que cursos fez, onde trabalha, se tem namorado, quem que segue.

Portanto, se você ainda tinha alguma dúvida, eu lhe trago a salvação: as mídias sociais triunfarão. E jornalistas, relações públicas, publicitários, ou outros profissional da comunicação terão mercado para explorar seus potenciais e capacidades técnicas. Estamos diante de um mundo de vaidades, onde a competição pelo melhor conteúdo gera a colaboração entre redes sociais cada vez mais ativas. As plataformas digitais não param de evoluir. Telas mais finas, mais leves. Nossos dedos, cada vez mais úteis.

E o que fazem aqui os profissionais de comunicação? Eles entram nesse jogo para mediá-lo. Para pôr em prática toda capacidade de lidar com o caos, com a dúvida, com o debate, com o controverso. Para transformar a informação que é compartilhada em conhecimento. Para transformar o relacionamento criado em resultado organizacional.

Mais argumento para minha tese de que tudo é vaidade: não é a nova regra do Marketing que consumidores acreditam menos nas empresas do que no seu semelhante? Quero saber o que a minha rede está comprando, experimentando, desembrulhando. Preciso saber. E quero saber se a minha rede gostou, se elogiou, se criticou, se transformou num viral. Um espelho. Olho para a minha rede e me vejo nela.

E por que somos todos especialistas em Facebook, em Twitter? Porque a cada esquina há um novo curso de dois dias sobre mídias sociais? Porque entendemos bem de vaidades. Desde sempre. Porque entendemos bem de redes sociais. Fizemos parte de uma desde que nascemos. Controlamos a nossa vaidade desde que perdemos a inocência própria de criança.

Falando sério. Eu acho mesmo que as mídias sociais darão muito certo aqui.

Juliano RigattiEu acho que as mídias sociais darão certo
read more

Os seios da minha professora de História

2 comments

Saíamos da sala de aula e só do que nos lembrávamos era da protuberância dos seus seios.

E é bem provável que mesmo se as aulas de História fossem bem melhores do que eram, se nossa professora chamasse nossa atenção para um ensino de qualidade, não deixaríamos de terminar a aula pensando nela do jeito que pensávamos, adolescentes que éramos. O problema é que uma dezena de anos depois precisei dessas aulas de História e, pesquisando em minha memória, encontrei nelas pouca coisa além da lembrança maliciosa das partes íntimas de nossa professora.

O que passei a valorizar no ensino do desenvolvimento da espécie humana é, de certa forma, o mesmo motivo pelo qual os jovens da conhecida Geração Y são criticados: não há como haver aprendizado se não compreendermos que tudo está correlacionado.

Decorávamos as coisas em separado; era o que fazíamos nas aulas de História. A professora explicava o que havia acontecido em determinada data, chamava nossa atenção para causas e consequências, nós olhávamos para os seus seis, abaixávamos a cabeça e anotávamos: data, causa e consequencia. Era assim que aprendíamos. Do que éramos cobrados em prova? De data, de causa e de consequência. Os três para cada um dos grandes fatos históricos, sem saber que nada – nada! – acontece de importante entre os homens sem que haja relação direta com algum outro evento igualmente importante.

Embora não tenham estudado comigo – pelo menos eu não me considero um Geração Y genuíno – essa gente vive parte deste mesmo problema. Nasceram em pleno apogeu da era da informação. Sentados em frente ao computador, saltitam de um vídeo para álbuns de fotos, e de posts curtos para mensagens de até 140 caracteres. Não se aprofundam em temas onde o que reina é a superficialidade. Aí está o sucesso do Twitter. Um post de alguns parágrafos em um blog já virou uma tese. É preterido muitas vezes porque requer reflexão e entrega. O tempo é escasso para os terabytes de opiniões e novidades que pipocam na rede. Denize Dutra, psicóloga organizacional, especialista em educação para empresas, afirma que os nascidos depois de 1980 “não conseguem adiar as satisfações”. E há uma explicação pra isso.

A informação conduziu sobre si a evolução do homem. Sempre foi perseguindo o saber que o homem tornou-se mais forte, mais dominador e mais capacitado para domar a ciência e entendê-la a seu favor. Pois a informação tornou-se abundante. Mais do que isso, tornou-se disponível. Como não exigir que a satisfação seja postergada? Como admitir não iniciar a carreira como chefe se todo o seu contexto lhe parece facilmente acessível?

Conversávamos em aula dia desses sobre Érico Veríssimo. Acho que chegamos nele porque falávamos da dedicação que é necessária para escrever uma monografia de qualidade. E alguém citou o Veríssimo. Quanto tempo ele levara para escrever O Tempo E O Vento? Dois cliques? Encontrou os personagens e suas biografias prontas no Google? Nosso Érico construiu conhecimento. E isso, para os nascidos em 1980 ou ontem, mesmo parecendo estranho, é preciso que saibam: permanece inquestionavelmente inalterado. O verdadeiro conhecimento, aquele que nos dá a sensação de ter dado um passo a frente, esse só se constrói na exaustão. Que é o oposto do ligeiro.

Edgar Morin, um dos principais pensadores contemporâneos e teóricos da complexidade de nossa sociedade, não conheceu minha professora de história, nem seu par de seios ou sua metodologia pedagógica, mas está igualmente preocupado com este paradoxo de nossos tempos. Para ele, de um lado estão o saberes desunidos, divididos, compartimentados e, de outro, as realidades ou problemas cada vez mais multidisciplinares, transversais, multidimensionais, transnacionais e globais. Para ele, não é razoável que alcancemos o conhecimento do todo se as partes do que sabemos não estiverem relacionadas umas com as outras. Não há mágica. Como a célula contém a totalidade do patrimônio genético, compara Morin, também a sociedade está contida em seus indivíduos, que não são o que são pelo isolamento, mas pelas conexões que fazem em seu habitat.

Denize Dutra expõe sua preocupação com o convívio empresarial que acontecerá – e já acontece aos montes – entre os jovens de 20 e poucos anos e os membros das gerações antecessoras. Não apenas no ambiente da organização, mas em todos os demais, teremos que, em primeiro lugar, valorizar as vantagens de quem nasceu há menos tempo. A Geração Y está mais preocupada com o equilíbrio carreira e vida pessoal, com o meio ambiente, é mais veloz, é empreendedora e tira proveito, com facilidade, dos recursos tecnológicos. Mais do que isso, transitam entre os mais modernos canais de informação, como as redes e mídias sociais, com extrema facilidade. Sabem encontrar um dado com bastante rapidez e eficiência.

Precisarão aprender, entretanto, o tempo de maturação das coisas. Este não mudou. Lidar com pessoas continua complexo; os problemas ainda precisam ser compreendidos para serem resolvidos; a experiência de alguém ainda é fundamental para uma série de processos; a cura de uma doença requer estudo e paciência.

E talvez esteja aqui o pulo do gato desta nova geração. Se souberem aliar sua incomparável habilidade em lidar com as partes ao conhecimento de quem se preocupa em encontrar a construção do todo, irão longe. Mais longe até do que os que os precederam. E mais longe com certeza de quem pensa nas aulas de História do ensino fundamental não lembra mais quase nada do que só decorou.

Juliano RigattiOs seios da minha professora de História
read more

Nada de novo

No comments

Juro: não há nada de novo em orkut, twitter, facebook, youtube, msn, blogs. Não há. Pode até parecer piegas, mas digo que não há porque não há nada de novo sob o sol.

Quando nascemos, desde bebês, buscamos reconhecer nosso ambiente, criamos relações com as pessoas, descobrimos a interação, o aprendizado, a colaboração, a indicação. É próprio do ser humano buscar socializar-se. A internet descobriu isso. Isso são as famosas redes sociais. Com o orkut, (re)encontramos as pessoas que conhecemos na vida real (ou não). Criamos ou refazemos os vínculos. Deixamos recado, mostramos fotos, insinuamos nossos gostos. Como numa tarde de sábado, sentados na sala, tomando chimarrão. Tudo igual. Com o twitter, avançamos, mas também não há nada de novo. Passamos a escolher quem queremos ouvir, com quem queremos ter contato. Escolhemos a dedo nossos seguidos. Se pisam na bola, saem de nossa lista. E os outros fazem isso conosco também. Se nosso conteúdo não agrada, podemos perder o amigo. Apresentamos e recomendamos nossos contatos ao resto da galera. É uma rede crítica, o twitter. Como a vida o é.

A linguagem. Também como em nossa existência física, a internet possui um idioma. Isso talvez o torne um pouco distante, quase assustador no início. Não há razão. Como fizeste aquele cursinho de idiomas um dia, aprenda os códigos de comunicação na internet também. Simples assim.

Mais do mesmo. É o que a internet. O que não a torna menos fascinante, claro. Ela amplia as possibilidade. Aproxima. Multiplica. Facilita.

Agora, não esqueçamos. A internet não é uma nova existência. É apenas uma roupagem modernosa daquilo que existe desde o princípio. Não abandone as visitas reais, os beijos de verdade, o abraço forte. A vida segue a mesma. Porque não há nada de novo sob o sol.

Juliano RigattiNada de novo
read more